quarta-feira, 29 de abril de 2009

festa de recepção aos novos e novas camaradas 2009

video

Festa de recepção aos novos filiados e filiadas ao PCdoB

No dia 13 de março aconteceu a festa de recepção aos novos filiados e filiadas ao PCdoB. Sob responsabilidade do Diretório Municipal, a festa teve um caráter metropolitano, com a presença de muitos municípios além de Belém.

Os festejos se deram na sede social da AABB (Associação Atlética do Banco do Brasil). Muitas atrações, como Alexandre Souza (intérprete de Chico Buarque), nosso camarada Ijo e a Banda Retrô.

Entre muitas novas filiações, podemos celebrar a vinda de Maria Aparecida (Cida), militante histórica da esquerda paraense e ex-Secretária de Estado de Administração do Governo Ana Júlia, Paulo Maia e Hildo, ex-militantes do PSB e conhecidos companheiros das trincheiras dos movimentos sociais em nossa cidade.

Maíra Nogueira (Presidente Municipal da UJS) e Alan Frick (Secretário de Comunicação) fizeram todo o cerimonial.

Nosso ex-presidente municipal e atual Sec. Estadual de Organização e Sub- Chefe da Casa Civil do Estado do Pará, Jorge Panzera, fez a saudação inicial. Em suas palavras deixou clara a vontade do PCdoB em abrir suas fileiras para as pessoas de bem que queiram espaço para mudar o Brasil.

Logo depois falou Pedro Fonteles, que afirmou estar honrado em poder militar no mesmo partido pelo qual seu pai tombou lutando contra o latifúndio. Com uma intervenção brilhante, arrancou lágrimas de sua mãe Raquel, viúva de Paulo e aplausos entusiasmados de todos e todas presentes.

Em seguida Antônia Botelho, ex-vice prefeita e Secretária Municipal de Abaetetuba. Ela, que falou representando um conjunto de mais de duas centenas de militantes que vieram há poucos meses do PSB, disse da alegria em estar filiada ao PCdoB, na luta por uma sociedade justa e igualitária.

Quem fechou a sessão de discursos foi o presidente estadual do PCdoB, Neuton Miranda, lembrando que para crescer, o PCdoB terá de ousar no próximo período, conquistando mais lideranças de todo o estado para o fortalecimento de nosso projeto eleitoral e maior protagonismo nas lutas do movimento social organizado. Em seguida a Banda Retrô animou o final de festa que foi regado a muita cerveja, música e boas risadas.



terça-feira, 28 de abril de 2009

Povo equatoriano consagra Rafael Correa e a Aliança País

Além de reeleger o presidente no primeiro turno, movimento patriótico fez a ampla maioria dos governos estaduais e municipais, e elegeu as maiores bancadas do Congresso Nacional, das Assembléias e Câmaras Legislativas.


Por Leonardo Wexell Severo, enviado do Hora do Povo a Quito

O povo equatoriano ratificou domingo (26) seu crescente apoio ao processo de transformações encabeçado pelo presidente Rafael Correa e seu Movimento Aliança País. Além de reeleger Correa no primeiro turno – fato que ocorre pela primeira vez em duas décadas -, com cerca de 52% dos votos, contra 28% do segundo colocado, os eleitores deram ao movimento patriótico a ampla maioria dos governos estaduais e municipais, e garantiram as maiores bancadas parlamentares no Congresso Nacional (unicameral), nas Assembléias e Câmaras Legislativas.

Entre as principais conquistas da “Revolução Cidadã” destacam-se a aprovação da Nova Constituição, em 28 de setembro do ano passado - com o fortalecimento do papel do Estado, da soberania nacional e do controle social sobre os setores estratégicos da economia -; a ampliação dos investimentos públicos na saúde, educação, moradia e obras de infraestrutura; a eliminação da terceirização e da intermediação de mão-de-obra e a reorientação da política externa, com a promoção da integração regional - através de organismos como a Unasul -, a suspensão do pagamento dos juros da dívida “ilegal e ilegítima” e a retomada, ainda neste ano, da base naval de Manta, hoje ocupada por tropas estadunidenses. Além disso, o governo decidiu realizar duas auditorias fundamentais para o pleno desenvolvimento da economia e da democracia, passando a limpo a partir de uma análise criteriosa a dívida externa - multiplicada pelos governos anteriores - e as concessões públicas de rádio e televisão, ambas comprovadamente contaminadas pela corrupção.

“Esta revolução está em marcha e nada nem ninguém a detém. Hoje renovamos o nosso compromisso com os mais pobres. Não somos excludentes, mas nosso governo tem uma opção preferencial, para que a Pátria seja, efetivamente, de todos”, afirmou Rafael Correa, logo após a divulgação da primeira pesquisa de boca de urna, que já apontava a vitória por ampla margem. “Precisamos, portanto, fazer com que este imenso capital político se transforme em organização”, enfatizou, pois “a luta é entre o povo e os que seqüestraram, venderam e traíram a Pátria”.

Desde o final da tarde de domingo, milhares de simpatizantes começaram a chegar até a sede da Aliança País, em frente à Tribuna do Parque Carolina, em Quito, para comemorar ao lado de seu presidente a acachapante derrota imposta à campanha midiático-banqueirista e ao imperialismo norte-americano.

Mídia

Para que o leitor tenha uma idéia do monopólio midiático entrincheirado na oposição a Correa, vale lembrar que, na televisão aberta, 19 famílias ainda controlam 298 das 348 frequências existentes. “Há uma relação incestuosa entre os bancos e os meios de comunicação, especialmente na televisão, onde um dos grandes acionistas do Banco de Pichincha, o maior do país, é proprietário da cadeia Teleamazonas, que detém 43 concessões a nível nacional, além de possuir as revistas Gestión e Diners”, informou o jornalista Eduardo Tamayo, do Fórum Equatoriano de Comunicação.

Um dos compromissos da Aliança País, inscrita na nova Constituição, é precisamente o impedimento à formação de “oligopólio ou monopólio, direto ou indireto, da propriedade dos meios de comunicação e do uso das freqüências”, com expressa proibição às entidades ou grupos financeiros, seus representantes legais, membros da diretoria e acionistas de controlar seu investimento ou patrimônio. Além disso, se estabeleceu um prazo de dois anos para que o setor financeiro se desfaça das ações que possui nos meios de comunicação. Ao mesmo tempo, se incentiva que na sociedade equatoriana se expressem aqueles que nunca tiveram voz, com o governo fomentando a criação de meios de comunicação públicos e comunitários, os quais são colocados, constitucionalmente, em igualdade de condições com os meios privados.

Evidentemente contrários à boa nova - que ainda está sendo gestada -, os donos das grandes redes de rádio e televisão entraram de corpo e alma na campanha. Mesmo nesta segunda-feira, quando ficou claro que deram novamente com os burros n`água, as emissoras privadas deram destaque especial a oposicionistas e à cantilena do “país dividido”, com “conselhos” e “alertas” ao presidente, a quem acusam de “prepotente”e “arrogante”.

Comemoração

“Minhas primeiras palavras são de agradecimento ao povo equatoriano e as segundas são para ratificar o compromisso com esta revolução. Diziam que uma vez presidente eu me acalmaria, mas nós estamos aprofundando o processo. Fiquem tranqüilos pois a cada dia que passa vamos avançar mais, não haverá volta atrás. Somos e seremos mais radicais do que nunca na luta pela justiça social”, sublinhou o presidente, dirigindo-se à multidão que se assomava à sede do Aliança País.

Com o gigantesco respaldo popular vindo das urnas, lembrou Correa, “derrotamos mais uma vez a tentativa de linchamento midiático contra o nosso governo, levada a cabo por uma imprensa mafiosa, que quer ver crucificados os ladrões de galinha, muitos deles empurrados pela fome, enquanto dá sustentação imoral a banqueiros corruptos. Agora, após vencermos já no primeiro turno, dizem que o país está divido. A verdade é que estamos mais unidos do que nunca”.

Rafael Correa ressaltou que “o triunfo não teria sido possível sem o trabalho de milhões de almas, corações e mãos que lutam por esta revolução”, o que nos faz, “reafirmar que é preferível morrer do que perder a vida traindo os princípios e compromissos firmados”.

“Alerta, alerta que caminha, a espada de Bolívar pela América Latina”, respondeu a multidão, fazendo tremular bandeiras de Correa ao lado de cartazes de Bolívar, do herói nacional Eloy Alfaro e de Che Guevara.

Agradecendo a manifestação de carinho, Rafael pediu a todos que se recordassem dos três milhões de equatorianos que vivem no exterior, “expulsos da sua terra pela pobreza, pela discriminação, pela injustiça da falta de oportunidades” e agradeceu aos jovens que votaram pela primeira vez e aos estrangeiros residentes, que tiveram reconhecido o direito ao voto, da mesma forma que os policiais e militares.

“Tínhamos sete candidatos contra o presidente Correa, atacando o governo e as conquistas da revolução. E, do lado deles, a Imprensa corrupta, comprometida com os setores econômicos e políticos oligárquicos, inventando, caluniando e mentindo. Ao mesmo tempo, essa mídia fala em liberdade de expressão. E quanto aos cidadãos, quem os defende das mentiras desta mídia?”, questionou o presidente, sob aplausos.

Rafael enfatizou que o momento é de avanço, de ruptura com os anos de atraso e subserviência ao capital estrangeiro e ao sistema financeiro, de traidores que se enriqueciam às custas da miséria nacional. “Hoje temos um país com eleições, onde os cidadãos têm seus direitos políticos, esta é a democracia formal. Mas a democracia real que temos de conquistar só pode ser construída com justiça social. Sem ela não haverá democracia verdadeira. Também não haverá democracia formal que dure. Por isso reafirmo aqui o compromisso de dar minha vida se necessário para construir esta democracia real, um país mais justo no plano social, regional, étnico, com igualdade de gênero. Juntos, vamos construir uma Pátria sem opulência, porém sem esta miséria insultante que nos envergonha. Uma Pátria altiva, soberana, que nos deixe orgulhosos e da qual todos façamos parte. Ratificamos o compromisso de não retroceder jamais. Viva a revolução bolivariana e alfarista. Até a vitória sempre!”.

segunda-feira, 27 de abril de 2009

Nova onda conservadora contra os movimentos sociais

Nota dos Movimentos Sociais

Uma nova onda conservadora, de tentativa de criminalização dos movimentos sociais, volta a manifestar-se no Brasil e no Pará.As viúvas dos neoliberais, sequiosas pela volta de um projeto antidemocrático para governar o Brasil e o Pará tiveram a ousadia de propor, junto ao Supremo Tribunal Federal (STF) a intervenção no Governo do Estado do Pará.
O governo de Ana Júlia, é um governo legitimamente eleito, fruto de um processo democrático, sintonizado com o projeto popular coordenado atualmente pelo Presidente Lula. Diferente dos governos tucano, apoiado pelo DEM, partido da Senadora Kátia Abreu, o governo atual mantém um canal de diálogo com todos os movimentos sociais e tem um entendimento novo sobre a questão dos direitos humanos.Comungamos da opinião de que o problema fundiário na Amazônia e no Pará é complexo e que não deve ser tratado como caso de polícia.

A Constituição Federal, ao mesmo tempo, que assegura aos brasileiros o direito de propriedade, assegura também de que esta propriedade sirva à uma função social.Só daremos resposta aos graves problemas sociais que ainda enfrentamos, na medida em que haja desenvolvimento com a valorização do trabalho, que milhões sejam efetivamente integrados à produção e através de uma reforma agrária antilatifundiária e justa.

A crise do capitalismo que atinge o mundo, fruto da cobiça do sistema financeiro, não será paga pelo povo brasileiro e paraense, em particular os trabalhadores. Exige sim, respostas avançadas que atendam aos setores produtivos com investimento na infra-estrutura, fortalecimento do mercado interno, que gera emprego e renda, e que garanta os direitos sociais.
Neste sentido, as diversas organizações de trabalhadores, moradores, jovens, estudantes, acadêmicos e outras vêm manifestar o seu repúdio à proposta de intervenção em nosso Estado. O povo paraense, herdeiro da Cabanagem,dirige o seu destino.Aqui tem governo e tem povo que sabe o que quer.

NÃO À INTERVENÇÃO NO ESTADO
NÃO À CRIMINALIZAÇÃO DOS MOVIMENTOS SOCIAIS
POR UM PROJETO DE DESENVOLVIMENTO COM VALORIZAÇÃO DO TRABALHO
ALESSA – Associação de Livre Expressão de Ananindeua
ANEPS- Articulação Nacional de Movimentos e Pratica de Educação Popular e Saúde
AGALT AMAZON – Associação de Gays e Lésbicas
AGRAS – Associação dos Graduados em Filosofia
APOLO – Grupo pela Livre Orientação Sexual
AMOR – Associação Movimento Regae Afro Cultural
AMJB- Associação de Moradores do Jardim Brasil
CONSELHO MUNICIPAL DO NEGRO BELÉM
CONSELHO COMUNITARIO DO GUAMÁ
CONAM- Confederação nacional das Associações de Moradores
CTB – Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil
CUT – Central Única dos Trabalhadores
COR- Cidadania Orgulho e Respeito
DIAMANTE NEGRO
FEDERAÇÃO ESPIRITA UBANDISTA DE CULTOS AFRO BRASILEIRO DO PARÁ
FESAT - Federação Estadual de Atores, Autores e Técnicos de Teatro
FORUM ESTADUAL DE REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA
FEMECAM- Federação Metropolitana de Centro Comunitário e Associação de Moradores
FMAP- Fórum de Mulheres da Amazônia Paraense
FPSANS- Fórum Paraense de Segurança Alimentar Nutricional e Saúde
GRUPO IGUALDADE E RESPEITO
Grupo IDEM Igualdade para Todos
GHC- Grupo Homossexual de Castanhal
GHI- Grupo de Homossexuais de Igarapé-Miri
GHP- Grupo Homossexual do Pará
INSTITUO NANGETU
MHB – Movimento Homossexual de Belém
MHM- Movimento Homossexual de Marabá
MNLN- Movimento Nacional de Luta pela Moradia
Movimento GLTTB da UFPA Orquídeas
MORHAN- Movimento de Proteção a Pessoas Atingidas Pela Hanseníase
MOCAMBO
NCST- Nova Centra Sindical dos Trabalhadores
SDDH – Sociedade Paraense de Defesa aos Direitos Humanos
STIUPA- Sindicato dos Urbanitários do Pará
SINDICATO DOS BANCARIOS DO ESTADO DO PARÁ E AMAPÁ
SEPUB- Sindicato dos Servidores Público e Civis do estado do Pará
SINDSAUDE- Sindicato dos Trabalhadores em Saúde Pública do Estado do Pará
SINDPREVS- Sindicato dos Trabalhadores da Previdência Social do Ministério da Saúde
SINDELPA- Sindicato dos Eletricitários do Estado do Pará
SINDFORTE- Sindicato dos Trabalhadores Transporte de Valores e Escolta Armada
SODIREITOS- Sociedade de Defesa dos Direitos Sexuais na Amazônia
OPINIO IURIS
UGT- União Geral dos Trabalhadores
UBM- União Brasileira de Mulheres
UBES- União Brasileira dos Estudantes Secundaristas
UMES- União Metropolitana dos Estudantes Secundaristas
UNE- União Nacional dos Estudantes
UAP- União Acadêmica Paraense
UJS- União da Juventude Socialista
UECSP- União dos Estudantes Secundaristas do Pará
UNEGRO- União dos Negros pela Liberdade

Caiu a farsa da Globo sobre o conflito com o MST

Desde o início, a história estava mal contada. Um novo conflito agrário no interior do Pará, em que profissionais do jornalismo teria sido usado como escudo humano pelo MST e mantidos em cárcere privado pelo movimento, em uma propriedade rural, cujo dono dificilmente tinha seu nome revelado. Quem conhecia e acompanhava um pouco da história desse conflito sabia que isso se tratava de uma farsa. A população, por sua vez, apesar de aceitar a criminalização do MST pela mídia e criticar a ação do movimento, via que a história estava mal contada.
As perguntas principais eram: Como o cinegrafista, utilizado como escudo humano - considero aqui a expressão em seu real sentido e significados -, teria conseguido filmar todas as imagens? Como aconteceu essa troca de tiros, se as imagens mostravam apenas os "capangas" de Daniel Dantas atirando? Como as equipes de reportagem tiveram acesso à fazenda se a via principal estava bloqueada pelo MST? Por que o nome de Daniel Dantas dificilmente era citado como dono da fazenda e por que as matérias não faziam uma associação entre o proprietário da fazenda e suas rapinagens?Para completar, o que não explicavam e escondiam da população: as equipes de reportagem foram para a fazenda a convite dos proprietários e com alguns custos bancados - inclusive tendo sido transportados em uma aeronave de Daniel Dantas - como se fossem fazer aquelas típicas matérias recomendadas, tão comum em revistas de turismo, decoração, moda e Cia (isso sem falar na Veja e congêneres). Além disso, por que a mídia considerava cárcere privado o bloqueio de uma via? E por que o bloqueio dessa via não foi impedimento para a entrada dos jornalistas e agora teria passado a ser para a saída dos mesmos? Quer dizer então que, quando bloqueamos uma via em protesto, estamos colocando em cárcere privado, os milhares de transeuntes que teriam que passar pela mesma e que ficam horas nos engarrafamentos que causamos com nossos legítimos protestos?
Pois bem, as dúvidas eram muitas. Não apenas para quem tem contato com a militância social, mas para a população em geral, que embora alguns concordassem nas críticas da mídia ao MST, viam que a história estava mal contada. Agora, porém, essa história mal contada começa a ruir e a farsa começa a aparecer.
Na tarde de ontem, o repórter da TV Liberal, afiliada da TV Globo, Victor Haor, depôs ao delegado de Polícia de Interior do Estado do Pará. Em seu depoimento, negou que os profissionais do jornalismo tenham sido usados como escudo humano pelos sem-terra, bem como desmentiu a versão - propagada pela Liberal, Globo e Cia. - de que teriam ficado em cárcere privado.
Está de parabéns o repórter - um trabalhador que foi obrigado a cumprir uma pauta recomendada, mas que não aceitou mais compactuar com essa farsa. Talvez tenha lhe voltado à mente o horror presenciado pela repórter Marisa Romão, que em 1996 foi testemunha ocular do Massacre de Eldorado dos Carajás e não aceitou participar da farsa montada pelos latifundiários e por Almir Gabriel, vivendo desde então sob ameaças de morte.
A consciência deve ter pesado, ou o peso de um falso testemunho deva ter influenciado. O certo é que Haor não aceitou participar até o fim de uma pauta encomendada, tal quais os milhares de crimes que são encomendados no interior do Pará. Uma pauta que mostra a pistolagem eletrônica praticada por alguns veículos de comunicação e que temos o dever de denunciar.
Max Costa Jornalista/Belém

domingo, 26 de abril de 2009

boas vindas

Camaradas, amigos e amigas,

Este é o Blog do Partido Comunista do Brasil em Belém do Pará. Um espaço que se pretende de discussão sobre a realidade de nosso município e articulação da luta popular. A participação de todas e todos nesta iniciativa é importante,pois somos um partido em crescimento e bem organizado. Temos condições de alimentar esta páginas com notícias de todos os bairros, da maior parte das categorias de trabalhadores (as), das lutas dos mais diversos movimentos sociais organizados, denúncias contra injustiças, desmandos.
A utilização cada vez maior do meio de comunicação digital é uma realidade inquestionável. Precisamos criar uma rotina de utilização maior deste terreno de batalha e exercer uma militância digital. Quem quiser publicar matérias ou artigos é só enviar uma mensagem para: pcdobelem@gmail.com

Navegar é preciso, mais do que nunca, para conquistar corações e mentes para a causa mais justa da humanidade: a luta pelo socialismo.

Alan Frick
Secretário de Comunicação do PCdoB- Belém PA
alanfrick@gmail.com